quarta-feira, 23 de março de 2011

Assombros


Às vezes, pequenos grandes terremotos
ocorrem do lado esquerdo do meu peito.
Fora, não se dão conta os desatentos.
Entre a aorta e a omoplata rolam
alquebrados sentimentos.
Entre as vértebras e as costelas
há vários esmagamentos.
Os mais íntimos
já me viram remexendo escombros.
Em mim há algo imóvel e soterrado
em permanente assombro. 


Affonso Romano de Sant’Anna . Lado Esquerdo do Meu Peito

Paulo Braccini
enfim! é o que tem pra hoje...

17 comentários:

  1. Não se dão conta os desatentos ... Os mais íntimos já me remexendo escombros ...

    Não somos todos assim? De longe, de fora, há a perfeição, que é composta por um sem numero de escombros encaixados ... não somos nós uma composição de escombros que em alguns momentos se assemelham a esculturas e em outros ao resultado de um tsunami?

    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Caraca, aí esta um poeta magnífico desses tempos modernos. Affonso Romano de Sant’Anna é brilhante.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  3. o coração fica no encontro de duas placas: amor e odio (???)! pelo menos no meu caso, a primeira vem sobrepondo a segunda constantemente, causando alguns belos tremosres...

    abraços do voy

    ResponderExcluir
  4. Sempre somos assolados por esses terremotos. ainda bem, sinal que nossos sentimentos estão aflorados.
    Bjux

    ResponderExcluir
  5. Que linda poesia! Eu amei. Estava com saudade dos seus comentário no meu blog. Vê se aparece mais, ok?

    *DB*

    ResponderExcluir
  6. Bem vindo de volta meu caro Paulo...

    Espero que sua estada em Buenos Aires tenha sido ótima...

    abração.

    ResponderExcluir
  7. Sempre há algo imóvel e soterrado dentro de nós. Acho que nós mesmos provocamos esses terremotos, para que possamos soterrar certos sentimentos...
    Abraço querido, ótima quarta para ti!
    ^^)

    ResponderExcluir
  8. ai ai... é sempre assim... por dentro estamos em terremoto... e por fora, para não causar espanto ou assustar quem se quer... temos que fazer um sorriso de monalisa...

    ResponderExcluir
  9. Lindo poema de um autor que desconhecia. Gostei muito. Abraço.

    ResponderExcluir
  10. que maravilha este post... tão lindo e tão cheio de vida e dor e tantas coisas mais em ricas palavras!

    adoro seus achados

    beijos

    ResponderExcluir
  11. Voltou com tudo...

    Paulo, como você se ateve a fazer um blog com poesia sem pedir quase dois milhões ao governo? kkk

    ResponderExcluir
  12. Caraca...

    DEVASTADOR!

    ResponderExcluir
  13. Que escolha ímpar essa sua meu querido Paulo.
    Quantos terremotos internos já passei, mas sinto que isso que nos impulsiona a viver.
    Beijos, muitos.
    Sua amiga aqui, está com o cóccix dodói, vê se isso é lugar pra machucar....kkkkkkkkk
    Mas como dóiiiiiii.
    rsrsrs
    Beijos meu amigo.

    ResponderExcluir
  14. O que acontece quando vc tenta comentar lá no novo?

    ResponderExcluir
  15. Os mais íntimos, no meu caso, me ajudam nas buscas por qualquer "coisa sobrevivente".

    Que lindo, Paulo, gostei muito, de verdade! Vou citar lá no Twitter.

    Um beijo grande!

    ResponderExcluir
  16. Bom gosto é uma merda mesmo. Nãocostuma falhar rs

    Bjs, querido!

    ResponderExcluir

então! obrigado pela visita e apareça mais, sempre teremos emoções para partilhar.

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin