domingo, 13 de junho de 2021

Vamos!

 


- Rudyard, tem alguma coisa errada comigo. Eu sou diferente de todo mundo.
- Eu também, Burt. Vamos.

Howard Buten - Quando eu tinha cinco anos eu me matei.

Obs: A voz narradora desta história pertence a Burt, um garoto de oito anos com uma imaginação fecunda e que se expressa por meio de uma linguagem livre, rebelde, misteriosa e, por isso mesmo, incompreensível aos homens de bata branca do Centro de Internamento Infantil no qual está preso, por conta do que fez a Jessica. Eles o assediam, insistem, de modo compulsivo, em ler sintomas clínicos em suas fantasias e tentam submeter seus impulsos infantis aos ditames da moralidade adulta. Uma prosa maravilhosamente eficaz, um romance hipnotizante e cheio de momentos de pura emoção.
“O livro capta, de forma pungente, a profunda divisão existente entre crianças e adultos, a luta constante na qual até as crianças mais inteligentes e capazes têm de se envolver para compreender o redemoinho de palavras, ações e regras que tolhem suas vidas.”

Buten



Bratz Elian
enfim! é o que tem pra hoje ...

domingo, 6 de junho de 2021

Os dias!

 



Seus olhos cansaram dos dias
seus olhos cansaram sem dias
fura as paredes do dia?
procura por outro dia?

haverá em algum lugar outro dia?

Adonis - Poemas

Bratz Elian
enfim! é o que tem pra hoje ...

domingo, 30 de maio de 2021

O Irônico Mor!


Uma possibilidade que não consideramos foi que Deus é o irônico mor. Assim como os cientistas fazem experiências em laboratórios com ratos, labirintos e pedaços de queijo colocados atrás da porta certa, Deus pode ter preparado o seu próprio experimento, usando-nos como ratos. Nossa tarefa é localizar a porta atrás da qual está escondida a vida eterna. Perto de uma das possíveis saídas, ouvimos uma música distante, etérea; perto de outra, um cheiro de incenso; raios dourados de luz brilham ao redor de uma terceira. Empurramos cada uma dessas portas, mas nenhuma delas cede. Com uma emergência cada vez maior – pois sabemos que a caixa em que nos encontramos se chama mortalidade -, tentamos fugir. Mas o que não compreendemos é que o objetivo do experimento é não escaparmos. Existem muitas portas falsas, mas nenhuma verdadeira porque não existe vida eterna. O jogo imaginado por Deus, o irônico, é este: incluir desejo de ser imortal numa reles criatura e depois observar as consequências.

Julian Barnes, no livro “Nada a Temer”

Bratz Elian
enfim! é o que tem pra hoje ...

domingo, 23 de maio de 2021

O ateísmo de Jules Renard!



Vocês dizem que eu sou ateísta porque nem todos nós buscamos Deus da mesma maneira. Ou melhor, vocês acham que O encontraram. Parabéns. Eu ainda O estou procurando. E vou continuar a procurar pelos próximos dez ou vinte anos, se Ele me permitir viver. Temo não encontra-lo, mas vou continuar a procurar assim mesmo. Talvez Ele fique grato por eu estar tentando. E talvez tenha piedade da sua confiança arrogante e da sua fé preguiçosa, imbecil.

Jules Renard, deliciosamente mordaz.

Bratz Elian
enfim! é o que tem pra hoje ...

domingo, 16 de maio de 2021

À imemorial noite povoada!



“Aceito mal o que em arte se designa por inovador. Deverá uma obra ser entendida pelas gerações futuras? Porquê? Que quererá isto dizer? Que elas poderão utilizá-la? Em quê? Não vejo bem. Já vejo melhor – ainda que muito obscuramente – toda a obra de arte que pretenda atingir os mais altos desígnios deve, com paciência e uma infinita aplicação desde início, recuar milénios e juntar-se, se possível, à imemorial noite povoada pelos mortos que irão reconhecer-se nessa obra. Nunca, nunca, a obra de arte se destina às novas gerações. Ela é oferenda ao inúmero povo dos mortos.”

“O Estúdio de Alberto Giacometti“, de Jean Genet.

Bratz Elian
enfim! é o que tem pra hoje ...

domingo, 9 de maio de 2021

Merda Nenhuma!

 

[cena do filme “Barfly”, com Mickey Rourke e Faye Dunaway]

“Ela tinha um tipo de sensibilidade estranha e doida de quem sabia de algo mais, e esse algo era que a maioria dos seres humanos não vale merda nenhuma. Eu sentia isso e ela também.” 

- Charles Bukowski sobre uma das pessoas decisivas na sua vida e seu primeiro relacionamento sério, Jane Baker.

Bratz Elian
enfim! é o que tem pra hoje ...

domingo, 2 de maio de 2021

Alindai-vos, bailai, desatai a rir!

 


Quando somos muito fortes, - quem recua?
muito alegres,- quem cai no ridículo?
Quando somos muito maus, - que fariam de nós?

Alindai-vos, bailai, desatai a rir.
- Eu nunca poderei atirar o Amor pela janela.

Rimbaud

Bratz Elian
enfim! é o que tem pra hoje ...

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin