segunda-feira, 13 de junho de 2016

Eu aceito!



Foi assim!
Em 26 de setembro de 1974 aceitamos iniciar e construir nosso projeto de vida.
Naqueles tempos, casar nem passava por nossa cabeça.
Os tempos eram outros.
Anos passaram e hoje temos o direito a celebrar União Estável e convertê-la em Casamento.
Mas e a regulamentação deste dispositivo final? Por onde anda?
O mundo mudou, mas não mudou tanto. O termo Casar ainda é exclusividade para os héteros na Sociedade Brasileira e seu arcabouço legal. Até quando?
Em 30 de março de 2012 celebramos nossa União Estável.
Poderíamos convertê-la em casamento?
O que muda nisto tudo?
Sinceramente! Nada!
Nosso projeto, nossos sonhos, nossas vidas se construíram e se consolidaram independente de tudo isto.

"Aceito" é um curta metragem brasileiro de 2014, super premiado, já rodou o mundo e  finalmente liberado para o You Tube.
Curtam, é bem legal:


ps: 01 - Feliz Dia dos Namorados
      02 - E as coisas não mudam muito em qualquer parte do mundo! Je suis #orlando



Bratz Elian
enfim! é o que tem pra hoje ...

18 comentários:

  1. Amei o filme, muito bom! Concordo com você e com o
    André. Penso que casar ou não, não muda em nada uma
    relação! Também, nunca tive essa fantasia, a "união
    estável" a meu ver, já está ótimo! Nunca entendi muito
    porque alguns gays fazem tanta questão de serem iguais
    aos héteros! E onde estar a graça em ser
    diferente? Boa sorte!! Bjão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem por aí meu caro Dyh. Eu e Elian só celebramos a União Estável por uma questão totalmente pragmática. Pensão para o caso de falecimento de um de nós e, assim, não deixar para o governo.
      Qto ao resto já estava tudo definido e tranquilo.

      Beijão

      ps: Uma frase que amei no filme: Sim! "Direito de se casar" e não "Tenho que casar".

      Excluir
  2. E não me parece que nos próximos tempos a palavra casamento irá entrar no léxico LGBT Brasileiro. :-/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Levará muito tempo querido. Ainda mais agora com esta onda louca de Evangélicos Fundamentalista que domina a sociedade brasileira e o Congresso Nacional.

      Excluir
  3. Um "eu aceito" de coração tem mais força que uma lei!
    Um dia nós casaremos legalmente, mas tanto a sua união como a minha foi mantida pela lei do coração muito antes da jurisprudência humana!
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim querido. Nós vivemos os tempos onde isto não era fundamental e soubemos construir nossos projetos. Hoje, a turma tem parcialmente a lei mas fazem o que com ela em termos de projeto? NADA!

      Uma pena mesmo ...

      Excluir
  4. O Supremo Tribunal Federal, com a sua jurisprudência, admitiu a conversão de uniões estáveis em casamentos, portanto, não é assim tão descabido poder admitir-se essa hipótese no Brasil.

    Temos de pensar nos milhões de homossexuais que lutam por poder sobreviver. No ocidente, estamos em outro patamar.

    Em Portugal, já temos casamento e adoção, a última desde este ano.

    um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim querido existe o parecer do Conselho Nacional de Justiça que assim o determina mas não existe a regulamentação deste dispositivo. Assim sendo é algo que vale e não vale ao mesmo tempo. Pode ser contestado! Ainda no aguardo. Quanto à adoção de filhos existe o consentimento e o aceite da lei para pessoas solteiras mas não para casais homo afetivos. Assim, burla-se a lei e os casais desta categoria adotam como pessoas solteiras. Coisas do Brasil. Muito ainda por conquistar. Mas lembro que isto é como diz o personagem do filme em questão e que eu comungo com tal pensamento. "Direito" mas não "Obrigação". "Posso" mas não sou "Obrigado". rs

      Excluir
  5. Vejo bodas de ouro chegando logo... Parabéns pela trajetória (não a conheço direito, mas fico feliz em poder contar com experiências destas como a tua)...
    Já sobre o casamento, o acho necessário para que seja uma escolha, para quem o quiser faze-lo com outra pessoa do mesmo sexo, assim como para quem não quer casar...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente o que eu penso Ronaldo. Uma escolha de direito como todos.
      Quanto às bodas estão perto sim ... rs ... este ano, em 23 de setembro completamos 42 anos juntos e no dia 30 de março passado completamos 4 anos de União Estável.

      Excluir
  6. Olá, querido Bratz...parabéns ao casal, que continuem com seus projeto, sonhos, vidas independente de tudo isto....penso, também, que o casamento é mera formalidade - aspas, claro que conferindo mais direitos e garantias do que a união estável-, pois, o importante em uma relação conjugal é que haja o amor como base de tudo. Importante, também, que as políticas conservadoras e organizações religiosas, deixem de bloquear essa realidade, uma questão de escolha e direitos.
    Aceito a dica do Aceito,não assisti,irei lá no You Tube.
    Feliz semana, belos dias, abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeito Felisberto. Você sempre com sua sabedoria de uma mente clara, objetiva e aberta.

      Beijão e boa semana.

      Excluir
  7. Legal o filme !
    E seguimos, com nossos casamentos do coração.
    Ao papel, cabe resolver umas coisas práticas, a gente que tem alguém que divide a vida com a gente, tem essa preocupação. Afinal, amar e cuidar do be mestar do outro também. A gente merece isso !

    Abraço Paulão !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeito meu caro Marcos. Estas percepções sábias são frutos de uma grande sabedoria.

      Excluir
  8. Estupendo!!!

    Bacana seu ponto de vista!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Ro. Sinal que você também pensa por este caminho ...

      Excluir
  9. Na verdade a palavra "Casamento" é como uma moeda, tem dois lados, o do contrato e da união. Entendo que muitos casais gostariam de casar, mas estar junto não tem necessariamente que implicar pegar numa caneta e assinar um papel.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente querido! Podemos casar mas não temos que casar compulsoriamente.

      Excluir

então! obrigado pela visita e apareça mais, sempre teremos emoções para partilhar.

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin