quinta-feira, 19 de novembro de 2015

No Ventre de um Raio!



Vivemos num mundo fechado e mesquinho. Não sentimos o mundo em que vivemos tal como não sentimos a roupa que trazemos vestida. Voamos pelo mundo como as personagens de Júlio Verne através do espaço cósmico no ventre de um raio. Mas o nosso raio não tem janelas.
Os pitagóricos afirmavam que não ouvimos a música das esferas porque toca incessantemente. Aqueles que vivem perto do mar não ouvem o rumor das ondas, mas nós nem sequer ouvimos as palavras que pronunciamos. Falamos uma miserável linguagem de palavras não assumidas. Olhamo-nos na cara e não nos vemos.
As imagens não são janelas que dão para outro mundo, são objeto do nosso mundo.

Viktor Sklovski

Bratz Elian
enfim! é o que tem pra hoje ...

20 comentários:

  1. Ah....triste olhar que se desensibiliza de tantas belezas nesse mundo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Até qdo teremos este triste olhar sobre o mundo, sobre a vida é sobre nós mesmos? Fica a questão.

      Excluir
    2. Enquanto acreditarmos nesse triste olhar!

      Excluir
  2. Amigo Paulo, bom dia!
    Infelizmente "...é o que tem para hoje" em dia, atualmente, assim vai indo cada qual em seu mundo, "conectados" nas redes, ai de quem se ressente, pois não tem mais jeito, a reflexão sobre o texto nos leva a perceber como as pessoas andam automatas, fazendo tudo sem nem sequer pensar, acredito até que todos os acidentes e coisas ruins que acontecem são por causa dessa "ausência" de nós mesmos!
    Sei disso, já sofri acidente por estar "ausente" de mim, hoje não mais, aprendi que para poder viver e me defender é preciso viver cada momento, sem distração, sem deixar passar, se consegue, é questão de treinamento.
    Amei ler aqui, escolheste muito bem o texto que, com certeza dirá algo para quem aqui o ler, assim como disse a mim!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nunca estarmos ausentes da vida e de nós mesmos. Esta é a questão Ivone.

      Excluir
  3. Actualmente, é tudo muito efémero, individualista. No seguimento da perda de determinados valores que considero que sem os quais uma sociedade não subsiste.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então Mark. Esta é a grande questão: Vivemos o mundo das efemeridades ... em tudo por tudo ... Nada mais é relevante ...

      Excluir
  4. Geralmente a gente não se olha muito, deveríamos parar para fazer mais isso, não olhamos nem ao redor ultimamente.
    Como se reconhecer sem se conhecer ?

    Abraço !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se olhar, se compreender, se reconhecer é a base da vida, mas quem está disposto a isto? É um processo penoso e desgastante, mas indispensável. Muito mais cômodo ignorarmo-nos e olhar o outro.

      Excluir
  5. " As imagens não são janelas que dão para outro mundo, são objeto do nosso mundo." Adorei essa frase, por vezes nos textos quando eles encerram com "chave de ouro" dá vontade de reler tudo outra vez.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fantástico mesmo. Sabedoria é coisa para poucos que a externam de forma didática e poucos que a compreendem em seu sentido pleno.

      Excluir
  6. Adorei a metáfora de estar "dentro do ventre de um raio"!
    Infelizmente cada vez vivemos num mundo mais fechado, infeliz e mesquinho.

    ResponderExcluir
  7. Cada um cada vez mais encalacrado em seu próprio
    mundo, incapaz de abrir as janelas e contemplar por
    um momento o mundo dos outros, acontecendo lá fora.
    E assim "descaminha a desumanidade" Perdoe-me o
    trocadilho infame! Rsrsr

    Bjus querido

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infame? Not. Gostei ... A humanidade só conhece os seus "descaminhos".

      Excluir
  8. E por isso é que quando se diz que só damos valor quando perdemos o que temos, é uma grande verdade. Nunca percebemos o que temos e quando temos, porque temos. No dia que deixamos de ter, sentimos a sua ausência, e percebemos que na maior parte das vezes isso aconteceu porque tínhamos isso como adquirido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na vida nada temos meu caro, a não ser a nós mesmos. O complicado é entender isto. Sempre achamos que podemos ter tudo e nos esquecemos de nós mesmos. Aí está o grande erro do Ser.

      Excluir

então! obrigado pela visita e apareça mais, sempre teremos emoções para partilhar.

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin