quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Eu sou ele de ela!




Em 1988 o jovem promovido carimbava requisições de materiais no almoxarifado para o controle dos pedidos que lhe impulsionavam o cotidiano enquanto respirava o pó de aço que em pretejava sua gola e seus punhos de camisa na repetida firma de seu dia a dia, e aos trancos carimbava seus reclames do excesso de pedidos sem assinatura que ele rejeitava para o honesto serviço do progresso. Apesar de funcionário novato já era a hora certa de reclamar ao chefe o que ele não podia aceitar: requisições que pediam de mais, parafusos e molas em quantidade absurda num papel sem assinatura que ele  no computador não poderia lançar, mais fácil usar a boa e velha caneta que escrevia as peças  nas fichas de inúmeras gavetas enfileiradas num arquivo de fichário cinza e enferrujado, lá tudo se pode concertar no próprio punho para a caneta cega que refaz as contas sem ofender ninguém. "engenheiros irresponsáveis ou operários analfabetos que não pensam no que é certo ou que não sabem escrever o nome".  Calma, dizia o chefe, no final do mês a conta fecha. Olhe, abriu sorrateiramente a porta do setor e mostrou para impressionar o jovem uma imensa garra comandada pelo motorista que do alto da torre descia a mão de aço que tomava a sucata de alumínio e ferro. Mas impressionante mesmo era o imã que com seus cabos de aço desciam próximos aos vagões lotados e, como mágica, fazem flutuar toda a sucata até o gigantesco forno, queimava em alto grau derretendo todo o material para fabricar o aço em lingotes flamejantes vermelhos e alaranjados, fogo que transforma o sucesso no progresso de toda nação. Lindo, ou não.  Só o ferro e o fogo não bastam, pois não são capazes nem de assinar para assumir as atas, um dia tudo sai do controle, pensou o jovem auxiliar de escritório dois, número registrado para diminuir seu salário.  Eu assino, disse o chefe. O rapaz debruçou-se sobre a mesa como uma secretária, curvou-se apoiando os cotovelos, enquanto o chefe em vez de assinar tocou suas nádegas, assinava com as mãos, os dedos, colocou um, dois, e depois a língua, fartou-se entre as pernas como quem lambe os lábios de uma vagina.  Sentiu o gosto de comer uma bundinha jovem e lisa, abriu a gaveta e retirou uma calcinha, vestiu no jovem menino que estreava seus 18 anos abraçando seus mamilos, virou ele sobre a mesa, mas era cedo para isso, ajoelhou o jovem então no velho assoalho que com suas mãos sujas de carbono roxo engoliu o pênis do chefe como uma, duas, três vias, de um registro feito de saliva, escorrendo pelo canto da boca que mal fechava, pelo pênis largo e grosso até a garganta silenciando o gosto, a fala, senão pelo joelho no velho assoalho que rangia, nunca foi trocado, madeira tão antiga quanto a poeira daquela firma. Insistiu o chefe, deitou o menino como uma menina sobre a mesa que abria as pernas para ser penetrado como um lingote de aço ... foi. Respirou com o pênis dentro o ir e vir de um sentir em demasia. Deu uma última estocada  beijando-lhe a boca, os mamilos, as coxas ... e ejaculou, ...livre! Então, descansados, perguntou: é sempre assim, você menino de menina. -Sim. -E não faz o papel de macho? -Não, que pergunta indecente. -Por que, você é crente. -Não, apenas sinto assim. -Assim como? -Feminina. -Como um menino de menina. -Não, como um rapaz de alma feminina, eu sou ele de ela. -E você assina. -Não, alma não fala, senti. -E o que garante que o teu sentir é de menina? -Nada, talvez por convicção. -Então você também não assina. Assim, o chefe apagou a luz do setor, olhou para o computador com tristeza de um progresso que logo substituiu os fichários, mandou embora os funcionários e suas convicções no kardex-almoxarifado e ainda trocou os tornos mecânicos por tornos computadorizados, desistiu o jovem do seu curso de processamento de dados e foi estudar teatro, mas até hoje, como cultura-funcionária de um funcionário, vive no pulmão do jovem promovido, "o velho pó de aço".  

Conto do amigo JúlioSeidenthal postado em seu Blog.

Bratz Elian
enfim! é o que tem pra hoje

20 comentários:

  1. Li esse conto no blog dele. Ele tem jeito para a escrita.
    Beijos Paulo

    ResponderExcluir
  2. Existem escritores tão talentosos sem divulgação que acho foda quando um livro de merda faz sucesso. Estou lendo uma coletânea de contos gays que está me deixando bem feliz.
    O texto é bem legal. Parabéns para o seu amigo.

    bjão!

    ResponderExcluir
  3. Putz, ele escreve super bem, gostei muito.
    Eu já não sei escrever assim, só rabisco rimas...rsrs.
    Beijos Paulo querido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. cada um tem o seu estilo querida ... vc tem o seu e é bom nele ...

      Excluir
  4. Muito bom o texto... mas temos que ler com mais calma, ou mais avidez, não sei. Desvendar os sentidos das palavras nem sempre é muito fácil.

    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. com certeza querido ... acho que o texto requer mais avidez ...

      Excluir
  5. É um texto de tirar o fôlego... daqueles que não dá pra ler direto, sem pausas. Muito bom!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Isso nem é para ler... é para saborear... palavra por palavra! Djuro! Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. com certeza queridão ... cm por cm ... seria melhor não? rs

      Excluir
  7. Sei lá... Não curti muito não. Será que estou azedo??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alguém por aí deve estar dormindo de calcinha! AZEDO por demais ... rs

      Excluir
  8. Conheço o Julio. Sempre com comentários profundos e reflexivos. Não imaginava que ele também podia nos proporcionar reflexões mais interessantes ainda.
    Parabéns, Julio [e ao Bratz também]
    Bjaum.

    ResponderExcluir
  9. Perfect...
    Viajei aqui no conto... Muito bom...
    Abraços garotão!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  10. Agradeço os comentários de todos, e especialmente ao Bratz, que de tão generoso fez dele um especial amigo. beijão à todos e muita saúde.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nada a agradecer queridão! Eu é que agradeço por nos brindar com esta preciosidade. Fica bem logo. Beijos

      Excluir

então! obrigado pela visita e apareça mais, sempre teremos emoções para partilhar.

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin