terça-feira, 30 de novembro de 2010

E a MARIDA está completando 6... anos!




A Marida, hoje completa 6... anos. Então ele resolveu me pedir de presente os custos de aulas de hidroginástica. Aceitei de bom grado dar-lhe este presente. Cheio de gás e autoconfiança, ele foi e entrou na secretaria da academia. Mal chegou o professor olhou-o de cima abaixo e avisou:
- Precisamos proceder a uma avaliação.
Pegou uma ficha, preencheu com seu nome e endereço e mandou brasa:
- Então o senhor já tem mais de sessenta anos?
- Pois é, meu filho, há um ano virei sexy.
- Como? O senhor disse sexy?
- É, sexy de sexagenário, entendeu?
- O senhor tem falta de ar?
- Não, tenho falta de dinheiro.
- Às vezes sofre de tontura?
- Sofro com as tonteiras dos outros.
- Tem hipertensão?
- Não, tenho hipertesão.
- É diabético?
- Não, sou diabólico.
- Tem alergia?
- A mulher.
A esta altura, o professor não se conteve:
- O senhor é doido?
- Por Homem!!! ... Por Homem!!!

e por mim não é mesmo?

Parabéns Amore!



Pesquisando na net descobri o maior hit das paradas musicais à época do nascimento dele, 
isto lá pelas bandas dos anos 40 do século passado. 
Sintam só o drama, e vejam se ele já não nasceu predestinado! 
kkkkkkk



Paulo Braccini
enfim! é o que tem pra hoje...

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Eu só preciso!




“Porque eu só preciso de pés livres, de mãos dadas, e de olhos bem abertos.” 

Guimarães Rosa

Paulo Braccini
enfim! é o que tem pra hoje...

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Revival #05


Esta noite sonhei, sonhei com um passado distante. Acordei com uma canção na cabeça. 
Levantei com o play ligado  ...


Hallelujah – Leonardo Cohen


Bird On The Wire - Leonard Cohen


Paulo Braccini
enfim! é o que tem pra hoje...

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Deixa que eu Lavo a Louça!


Um cara adorava motos Harley Davidson. Juntou dinheiro durante um tempo e foi até a revendedora.
Chegando, o vendedor lhe disse:
- Temos a última Harley, que não foi vendida ainda porque tem um pequeno defeito de fábrica. Não passou pelo último estágio de secagem da tinta e, portanto, não pode molhar, senão mancha a pintura. 
- Não tem solução? – perguntou o sujeito. 
- Tem – disse o vendedor – Quando o tempo estiver para chover, passe vaselina na moto que preserva a pintura sem problemas.
Sem pensar duas vezes, comprou a moto, passou na farmácia, comprou a vaselina e guardou no bolso. 
À noite, sua namorada convidou-o para jantar na casa dela. Ele chegou, deixou a moto na rua e foi entrando. A namorada foi logo avisando:
- Querido, depois do jantar não fale nada, não abra a boca porque a norma aqui em casa é a seguinte: o primeiro que falar qualquer coisa tem que lavar a louça. 
- Tudo bem, disse ele. 
Após o jantar, todos quietos. Começou a relampejar. O cara pensou: E agora? A moto lá fora, e eu não posso falar nada… 
Teve uma idéia. Agarrou a namorada e tascou aquele beijo de língua, na frente dos pais, na esperança que alguém protestasse. 
Ninguém falou nada. E dá-lhe relâmpago. 
Agarrou a moça de novo, deitou-a na mesa, e traçou a menina ali mesmo.. 
Ninguém falou nada. Ia começar a chover a qualquer momento. Não teve dúvida, agarrou a sogra e traçou a velha também. 
E nada .. ninguém falou absolutamente nada…. 
Quando ouviu o primeiro pingo de chuva lá fora, levantou rapidamente, tirou a vaselina do bolso e… O sogro assustado, disse:
- Deixa que eu lavo a louça!

Paulo Braccini
enfim! é o que tem pra hoje...

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Bebês. O Filme




Um documentário sobre 4 bebês da Mongólia a Namíbia, passando por San Francisco e Tóquio, “Babies” captura em filme os primeiros estágios da jornada humana que são tanto únicos quanto universais a todos nós. Do parto aos primeiros passos. O documentário, dirigido por Thomas Balmes e produzido por Alain Chabat, Amandine Billot e Christine Rouxel, será lançado em breve.

Obrigado Rebeca pela dica.




Paulo Braccini
enfim! é o que tem pra hoje...

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Instável




Além disso, sou terrivelmente instável e entender as minhas reações é coisa que às vezes nem eu mesmo consigo.


Caio Fernando de Abreu

Paulo Braccini
enfim! é o que tem pra hoje...

domingo, 21 de novembro de 2010

#HomofobiaNÃO


Aproveitando o gancho da postagem de ontem, trago até voces mais algumas manifestações super dignas, críticas e reflexivas de blogueiros da mais alta relevância no mundo da blogosfera. Sugiro que todos dediquem um pouquinho de tempo à leitura destes textos consistentes, inteligentes e engajados e, que eles sirvam para uma reflexão séria e madura sobre o que estamos fazendo em prol da conquista de nosso direito fundamental - o direito de cidadania.





Parabéns aos amigos Cris, Kiko Riaze, Introspective, Luiz Fabiano, DPNN, Marcos e a tantos outros que de alguma forma se engajam nesta luta.


Serviço:

Caminhada pela Paz – Rio de Janeiro 
Domingo - 21 de novembro - concentração às14hoo 
Av. Vieira Souto (esquina com a Rua Farme de Amoedo) - Praia de Ipanema 

Ato em Repúdio à Violência na Av. Paulista – São Paulo 
Domingo – 21 de novembro – concentração às 15h00 
Av. Paulista, nº 1578 - Bela Vista (em frente o vão livre do Masp)


Nota importante: Existem muitos sites e perfis em redes sociais fomentando a violência e o desrespeito com apologia à homofobia. Denunciem ao SAFERNET. A atuação deste organismo tem sido extremamente importante e eficiente.

Paulo Braccini
enfim! é o que tem pra hoje...

sábado, 20 de novembro de 2010

Nós


Hoje, o amigo Cris do Blog Uomini faz um desabafo, consciente e crítico sobre os últimos acontecimentos registrados em São Paulo e Rio de Janeiro. É fato que estas duas vergonhas ganharam espaço na mídia, mas até quando? Quantas outras acontecem e acontecerão, todos os dias, por todo o Brasil? Qual é a nossa postura frente a tudo isto? Vamos esperar que a próxima vítima seja um de nós? Enfim, ponham a preguiça de lado e clique AQUI! Leia, reflita e tome atitude.

Lembro aos amigos que neste domingo à tarde haverá uma MANIFESTAÇÃO SOB O VÃO LIVRE DO MASP. 

#HOMOFOBIANÃO

Paulo Braccini
enfim, é o que tem pra hoje...

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Deux Jours À Tuer . o filme





Direção: Jean Becker

Elenco: Albert Dupontel, Marie-Josée Croze, Pierre Vaneck, Alessandra Martines, Cristiana Réali, Mathias Mlekuz, Claire Nebout 
Sinopse: Antoine, 42 anos, é um publicitário de sucesso com uma vida perfeita. É casado com Cécile, de quem tem dois filhos, vive numa boa casa, tem amigos e mantém com os vizinhos uma boa relação. Um dia, o equilíbrio da sua vida perfeita desfaz-se. Adoptando uma atitude de intransigência, começa a questionar tudo o que construiu nos últimos anos da sua vida – casamento, filhos, profissão, amizades... Perante o espanto daqueles que o rodeiam, destrói, no espaço de uma semana, toda a estrutura da sua vida. Em seu final, o magnífico poema musical interpretado por Serge Reggiani. 

Le temps qui reste

Quanto tempo? Quanto tempo ainda?
Anos, dias, horas? Quanto?
Quando penso nisso, como me bate o coração.
Meu país é a vida.
Quanto tempo ainda? Quanto?
Eu amo tanto o tempo que me resta!
Quero rir, correr, chorar, falar, e ver e crer, e beber, dançar, gritar, comer, nadar, saltar, desobedecer.
Eu não acabei, eu não acabei.
Voar, cantar, partir, voltar a partir, sofrer, amar.
Eu amo tanto o tempo que me resta
Já não sei mais onde nasci, nem quando.
Sei que não foi há muito tempo e que meu país é a vida.
Eu também sei que meu pai dizia:
“O tempo é como o seu pão. Guarde um pouco para amanhã”.
Ainda tenho o pão. Ainda tenho tempo, mas, quanto?
Quero brincar ainda, quero rir às gargalhadas.
Quero chorar rios de lágrimas.
Quero beber barcos inteiros de vinho, de Bordeaux e da Itália.
Quero dançar, gritar, voar, nadar em todos os oceanos.
Eu não acabei, eu não acabei.
Quero cantar. Quero falar até ficar sem voz.
Eu amo tanto o tempo que me resta!
Quanto tempo? Quanto tempo ainda?
Anos, dias, horas, quanto?
Quero as histórias, as viagens.
Tenho tanta gente a ver, tantas imagens.
De crianças, de mulheres, de grandes homens, de pequenos homens, engraçados, tristes, muito inteligentes, bobos.
Que engraçado, os bobos me rodeiam,
Como as folhas entre as rosas.
Quanto tempo? Quanto tempo ainda?
Anos, dias, horas, quanto
Não me importo, meu amor.
Quando a orquestra parar, continuarei dançando.
Quando os aviões não mais voarem, eu voarei sozinho
Quando o tempo parar, eu a amarei ainda.
Eu não sei onde, eu não sei como, mas eu ainda a amarei.
Está bem?




Paulo Braccini
enfim! é o que tem pra hoje...

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Citações


Estes são realmente pensamentos
de todo homem em qualquer tempo e lugar,
não são originais meus;
e se não são de vocês tanto quanto meus
não querem dizer nada
ou quase nada;
e se não são a pergunta
e a resposta à pergunta,
não significam nada;
e se eles não se colocam tão perto
quão distantes parecem,
não valem nada…
Walt Whitman, Folhas da Relva
Paulo Braccini
enfim! é o que tem pra hoje...

terça-feira, 16 de novembro de 2010

O Inimigo Secreto



O envelope não tinha nada de especial. Branco, retangular, seu nome e endereço datilografados corretamente do lado esquerdo, sem remetente. Guardou-o no bolso até a hora de dormir, quando, vestindo o pijama (azul, bolinhas brancas), lembrou. Abriu, então. E leu:

“Seu porco, talvez você pense que engana muita gente. Mas a mim você nunca enganou. Faz muito tempo que acompanho suas cachorradas. Hoje é só um primeiro contato. Para avisá-lo que estou de olho em você. Cordialmente, seu Inimigo Secreto”.A esposa ao lado notou a palidez. E ele sufocou um grito, como nos romances. Mas não era nada, disse, nada, talvez a carne de porco do jantar. Foi à cozinha tomar sal de frutas. Leu de novo e quebrou o copo sem querer. Voltou para o quarto, apagou a luz e, no escuro, fumou quatro cigarros antes de conseguir dormir.

II
Dois dias depois veio o segundo. Examinando a correspondência do dia localizou o envelope branco, retangular, nome e endereço datilografados no lado esquerdo, sem remetente. Pediu um café à secretária, acendeu um cigarro e leu: “Tenho pensado muito em sua mãe. Não sei se você está lembrado: quando ela teve o terceiro enfarte e ficou inutilizada você não hesitou em mandá-la para aquele asilo. Ela não podia falar direito, mas conseguiu pedir que não a enviasse para lá. Queria morrer em casa. Mas você não suporta a doença e a morte a seu lado (embora elas estejam dentro de você). Então mandou-a para o asilo e ela morreu uma semana depois. Por sua culpa. Cordialmente, seu Inimigo Secreto”.

Abriu a terceira gaveta da escrivaninha e colocou-o junto com o primeiro. Pediu outro café, acendeu outro cigarro. Suspendeu a reunião daquele dia. Parado na janela, fumando sem parar, olhava a cidade e pensava coisas assim: “Mas era um asilo ótimo, mandei construir um túmulo todo de mármore, teve mais de dez coroas de flores, ela já estava mesmo muito velha”.

III
Alguns dias depois, outro. Com o tempo, começou a se estabelecer um ritmo. Chegavam às terças e quintas, invariavelmente. O terceiro, que ele abriu com dedos trêmulos, dizia:
“Você lembra da Clélia? Tinha só dezesseis anos quando você a empregou como secretária. Cabelo claro, fino, olhos assustados. Logo vieram as caronas até a casa em Sarandi, os jantares à luz de velas, depois os hoteizinhos em Ipanema, um pequeno apartamento no centro e a gravidez. Ela era corajosa, queria ter a criança, não se importava de ser mãe solteira. Você teve medo, não podia se comprometer. Semana que vem faz dois anos que ela morreu na mesa de aborto”.

IV
Fumava cada vez mais, sobretudo às terças e quintas. As cartas se acumulavam na terceira gaveta da escrivaninha:
“É o Hélio? Lembra do Hélio, seu ex-sócio? Desde que você conseguiu a maior parte das ações com aquele golpe sujo e o reduziu a nada dentro da companhia, ele começou a beber, tentou o suicídio e esteve internado três vezes numa clínica psiquiátrica.”
 “Então você se sentiu orgulhoso de si mesmo no jantar que os funcionários lhe ofereceram no sábado passado? Talvez não se sentisse tanto se pudesse ver no espelho a sua barriga gorda e os seus olhinhos de cobra no decote de dona Leda. Depois que você se foi, ela riu durante meia hora e foi para a cama com o Jorginho do departamento de compras.”
“E o fracasso sexual com sua mulher no domingo? Será que minhas cartas o têm perturbado tanto? Ou será apenas que você está ficando velho e brocha?”

V
Com cuidado, a mulher insinuou que devia procurar um psiquiatra. Ele desconversou, falou no tempo e convidou-a para ir ao cinema. A terceira gaveta transbordava. Além das terças e quintas, depois de um mês as cartas passaram a vir também aos sábados. E, depois de dois meses, todos os dias. Tentava controlar-se, pensou em não abrir mais os envelopes. Chegou a rasgar um deles e jogar os pedaços no cesto de papéis. Depois viu-se de quatro, juntando pedacinhos como num quebra-cabeça, para decifrar: “Você tem observado seu filho Luiz Carlos? Já reparou na maneira de ele cruzar as pernas? E o que me diz do jeito como penteia o cabelo? Não é exatamente o que se poderia chamar um tipo viril. Parece que faz questão de cada vez mais parecer-se com sua mulher. Talvez tenha nojo de parecer-se com você”.

VI
“Há quanto tempo você não tem um bom orgasmo?”
“E aquele seu pesadelo, tem voltado? Você está completamente nu sobre uma plataforma no meio da praça. A multidão em volta ri das suas banhas, da sua bunda mole, obrigam-no a dançar com um colar de flores no pescoço e jogam-lhe ovos e tomates podres.” 
“Uma farsa, essa sua vida, O seu casamento, a sua casa em Torres, a sua profissão — uma farsa. E o pior é que você já não consegue nem fingir que acredita nela.”
“Pergunte à sua mulher sobre um certo Antônio Carlos. E, se ela lhe disser que a mancha roxa no seio foi uma batida, não acredite.”
“Quando criança você não queria ser marinheiro?”

VII
Suportou seis meses. Uma tarde, pediu à secretária um envelope branco, colocou papel na máquina e escreveu: “Seu verme, ao receber esta carta amanhã, reconhecerá que venci. Ao chegar em casa, apanhará o revólver na mesinha-de-cabeceira e disparará um tiro contra o céu da boca”. Acendeu um cigarro. Depois bateu devagar, letra por letra:“Cordialmente, seu Inimigo Secreto”. Datilografou o próprio nome e endereço na parte esquerda do envelope, sem remetente. Chamou a secretária e pediu que colocasse no correio. Como vinha fazendo nos últimos seis meses...

Caio Fernando Abreu

Paulo Braccini
enfim! é o que tem pra hoje...

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Amar para que?


Amar, uma questão que permeia a vida de todos nós e que, na maioria das vezes desejamos e aspiramos como bem supremo a ser possuído. Todavia, na maioria das vezes este sentimento só nos trás angústia e sofrimento, sempre pela total falta de compreensão do que vem ser o AMOR e como devemos lidar com ele. Percebi e aprendi de há muito esta questão mas nunca consegui conceituá-la de forma clara e precisa. O amigo Kiko Riaze do Blog Subvertendo Convenções publicou recentemente de forma tão clara e didática esta premissa, que trago a todos voces para reflexão. Vale a pena mesmo trabalharmos nossos sentimentos nesta perspectiva, sob pena de estarmos sempre nos defrontando com uma imagem irreal do AMOR e assim, perdendo todas as possibilidades de vivenciá-lo de forma plena. 

“Uma das primeiras coisas que eu aprendi quando conheci a filosofia budista foi a noção do “desapego”. Segundo Buda, os seres humanos sofrem porque se apegam demais aos seus desejos. Desejamos um amor, um carro, uma casa, um bom emprego, reconhecimento profissional, etc, etc… São os nossos desejos que nos movem. A sociedade em que vivemos nos oferece um leque enorme de atrativos que alimentam estes desejos ao mesmo tempo em que nos cobra o sucesso para obtê-los. E a partir daí sofremos… Sofremos por não alcançar o que desejamos, sofremos por perder aquilo que já temos, sofremos também só de imaginar que um dia poderemos perder as coisas e pessoas que “possuímos”. Até mesmo os ricos que podem ter tudo que desejam (em termos materiais) sofrem porque esbarram no tédio… Tédio por ter todos os seus desejos realizados. É o  que Freud também dizia a respeito da ausência de sentido na vida depois de se ter tudo conquistado. Nós esperamos demais das coisas que desejamos. E quando alcançamos vemos que não é tudo aquilo e logo procuramos outra coisa para desejar. E assim vamos vivendo a vida, sempre desejando mais e mais… É como se estivéssemos sempre adiando a nossa felicidade para algum ponto no futuro que ainda vamos alcançar. Para Buda, e também para Freud milênios depois, a saída para esse sofrimento é o desapego. E isso também serve para as questões emocionais. O amor sempre vai trazer sofrimento. Não adianta vir os mais românticos dizendo que isso é negativismo, porque não é.  Isso é realismo. Na nossa vida nada é permanente. Aquela famosa frase “o que é bom dura pouco” é uma grande verdade. Os relacionamentos não duram para sempre. Acabam por vários motivos: por causa de brigas, traições, desgaste, porque o sentimento esfriou, porque nosso par se apaixonou por outra pessoa ou, em último caso, pela morte. E qualquer que seja o motivo da separação sempre vai haver sofrimento. Ora, se devemos nos desapegar para evitar o sofrimento, então para quê amar? Seria muito menos doloroso dispensar este sentimento para nos poupar de uma dor no futuro… Mas seria possível viver sem amor? Nós somos dependentes sentimentais desde quando nascemos e somos amamentados pela nossa mãe. Procuramos sempre nos apoiar em um amor. Precisamos nos sentir protegidos, precisamos de um amparo nos momentos difíceis. Amamos para preservar nossa sobrevivência. É instintivo. Para mim esta sempre foi a parte mais difícil de compreensão na filosofia oriental. Quanto às coisas materiais nunca tive problemas, pois não me apego mesmo. O meu problema é o tal apego sentimental. Meu coração é vagabundo. Sempre me apaixonei muito fácil. Meus períodos de solteirice sempre foram curtíssimos, porque eu sempre estive disposto a me amarrar em alguém. Uma carência que só Freud explica. Acho que por isso já me estrepei em tantas relações. Se não fosse tão apegado, sofreria menos… Mas e aí, devemos ser indiferentes às pessoas para não sofrer? Foi o que eu perguntei ao professor do Puja budista quando discutíamos justamente a questão do desapego. Ele respondeu que não. Não devemos ser indiferentes às pessoas. O desapego consiste em anular aquela idéia de posse que temos sobre as coisas e pessoas na nossa vida. Nós podemos amar e desejar tudo o que quisermos, mas devemos ter sempre em mente que nada é permanente nesta vida e que as coisas e pessoas só estão conosco “emprestadas” e um dia partirão. Desta forma nos desapegamos daquela vontade de possuir e aprisionar as coisas e pessoas ao nosso lado. Isso não quer dizer que a vida vai ficar sem sentido e nós vamos ficar parados com cara de paisagem assistindo as pessoas indo e vindo sem fazer nada. Mas ao invés de tentar possuir um amor e acorrentá-lo em vão de forma doentia, nós devemos perceber que o mais importante não é o amor que tentamos possuir, mas sim aquele que podemos doar.”

Paulo Braccini
enfim! é o que tem pra hoje...

domingo, 14 de novembro de 2010

Dama do Cassino



Eu prometi e cumpri mil carinhos
E muito respeito
Amor perfeito nos momentos bons
E nos momentos maus
Mas essa dama danada nunca encontra
Nada a seu jeito
Ela só busca as espadas, os ouros
As copas e os paus
Eu planejei sete luas de mel
Caravanas e tropas
Museus, paisagens, perfumes, vestidos
Receitas e roupas
Mas essa dona maldita sequer
Acredita em Europas
Ela só sonha com ouros, com paus
Com Espadas, com copas
Diz-se que quem é feliz no amor
No jogo é infeliz
Mas de quem faz do amor
Um jogo o que é que se diz
Eu não sei jogar e ela é a rainha
Como poderei pensar que ela é minha?
Eu escrevi canções pra caminhões
De guitarras e couros
Que se tornaram estouros em mais
De muitos carnavais
Mas pra essa Diva jamais
O sambódromo, o autódromo, os touros
Ela só fica pensando em paus
Copas, espadas e ouros
Eu já fiquei como Erasmo
Sentado à margem das estradas
À espera de uma palavra da boca
Um gesto das mãos
Mas essa deusa só diz nãos e
Nuncas e necas e nadas
Ela só sabe de paus e de ouros
De copas e espadas


Caetano Veloso


Get this widget | Track details | eSnips Social DNA

Paulo Braccini
enfim!  é o que tem pra hoje...

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Membro Fantasma


Finalmente, tive alta do hospital. Segundo os médicos a operação para a mudança de sexo foi um sucesso. Continuo com muitos inchaços e dores, a sensação não é das melhores, no entanto o alívio de ter me livrado daquele incômodo é muito maior. Os psicólogos me disseram que é natural que, ao ter algum membro amputado, tenha-se a impressão de que ele ainda exista. Mas não comigo: eu sempre mijei sentada.


Paulo Braccini
enfim! é o que tem pra hoje...

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

A Minha Alma Nua


Houve um tempo em que eu tinha desistido de mim, não sabia o que era a luz do dia
nem alimento que não fosse bebido, injetado ou aspirado. Quis cair de boca na boca da noite
e acabei caindo nos dentes da Boca do Rio. Era requisitado pelos playboys da Pituba, pois
constava sempre a massa boa, "a de qualidade". Curtia a noite até a última ponta: suas
dores; seus atalhos; seus clichês; suas miragens. Até conhecer Pérola, uma negra de porte
altivo e cabelos de nylon, que realizava um trabalho social com as prostitutas e travestis
afrodescendentes da orla. Eu era útil para ela porque sabia o ponto e o nome de todas,
algumas até o nome de batismo. Cheia de revolta e ideais socialistas, me fascinou seu
discurso caduco, suas vestes de princesa africana e sua idolatria por Omolu, "o que mata
sem faca". (Pérola era o arco-íris de Madagascar). Seu conceito de igualdade pouco se
chocou com meu desencanto humanitário. Foi minha pele parda, de mestiço do Recôncavo,
que não combinava com a dela — que me considerava muito branco para o seu universo.

 “A minha pele de ébano é a minha alma nua”

Paulo Braccini
enfim! é o que tem pra hoje...

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Dentro de mim mora um Anjo


Quem me vê assim cantando 
não sabe nada de mim
dentro de mim mora um anjo
que tem a boca pintada
que tem as asas pintadas
que tem as unhas pintadas
que passa horas a fio
no espelho do toucador
dentro de mim mora um anjo
que me sufoca de amor
Dentro de mim mora um anjo
montado sobre um cavalo
que ele sangra de espora
ele é meu lado de dentro
eu sou seu lado de fora
Quem me vê assim cantando
não sabe nada de mim
Dentro de mim mora um anjo
que arrasta as suas medalhas
e que batuca pandeiro
que me prendeu nos seus laços
mas que é meu prisioneiro
acho que é colombina
acho que é bailarina
acho que é brasileiro.
Cacaso



Paulo Braccini
enfim! é o que tem pra hoje...

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Tatuagem


Não dá pra queimar os miolos com
suicidas, vagabundos letrados abandonados
não abonados,
quando cartazes bombardeiam anúncios
calvin klein sufocando bocetas,
passe bombril nos pensamentos,
seu irmão não é escroto,
sua irmã não é puta,
não ligue pros beijinhos do daddy,
pras mulheres disformes se agache,
arco íris só na cabeça de judy.
arco íris foi navio negreiro,
que chova maldições do raoni,
aquele doido de pedra de lá de cima,
salve, salve aleluia,
que o suor do shaka botocudo nos inunde,
limpe sua vista verde amarela
com água benta candomblé,
chega de comércio com os indígenas
mais malandros que madame satã,
enquanto nações são enterradas como indigente
no cemitério FMI - BIRD - BID,
e a TV achata a mente com Van Damme,
e beijos de língua de caras de bunda dura
enquanto nos esgoelamos lulala - lulala,
e scooby - doo enche o saco,
acabem com dick - bob 's e ronald - macdonald's,
lambem os beiços com costeletas de porco,
sirvam os rabos GLS com molho pomadoro,
sumam com aquele branquela da casa branca
que aquele fdp emerge do bunker roxo de inveja,
joguem o radio no lixo, que toquem bob marley,
bosco, martinho e elza - garrincha,
vamos parar de nos preocupar com os suicidas
e desentocar os lesa - pátria - iates - jets
e enfia - los de volta na vulva que os pariu,
e eu vou ouvir nat king cole com uma coke do lado
e tatuar rosas no meu coração de estudante.. 

Iosif Landau

Paulo Braccini
enfim! é o que tem pra hoje...

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

O Arrogante


Mais uma preciosidade da Blogsville. Vi isto no Blog BHY de um conterrâneo q assim se define: “Encontrar um cara como aquele é muita sorte pra alguém tão presunçoso e abandonado. Pena que ele seja arrogante, ainda que simpático, solitário, míope e azarado.” Vale a pena conferir o rapaz.

O arrogante simpático está aí, destilando conceitos sobre a solidão alheia como se soubesse lidar com a própria. Não sabe. Ele é solitário, não está apenas sozinho. Ele se importa demais com o estado das coisas, quando é o estado civil que lhe tira o sono. Porém ele é insolente em sua cegueira social, já que não percebe que não são as coisas que contam, mas o que acontece entre elas: os fatos.
O fato é que o arrogante solitário passa muito tempo pensando em como o homem ideal deve ser. Ideais fazem parte da mesma fantasia que criou o amor lindo. Enquanto aquele cara que nem é tão bonito ou rico e que nem sequer dirige pode ser o homem que vai fazer o arrogante simpático abandonar o fiel pacto que fez com sua urgente necessidade de nunca errar. E só querer acertar é sempre pactuar com o óbvio. E ter horror de ter perdido tempo errando é rejeitar o imprevisto.
Esse cara que por alguns instantes quase fez o arrogante solitário esquecer-se de si mesmo não é o homem perfeito. Só que o arrogante simpático conseguiu esquecer a própria solidão. Se este cara não tem ou não sabe fazer um monte de coisas, quase todas requisitos do arrogante solitário, ele deve saber fazer muitas outras coisas que o arrogante simpático nem imagina. Aquele cara não fantasia, não tem necessidade de acertar sempre em tudo que faz e muito menos satisfazer a tudo que os demais esperam que ele seja ou faça. 

Paulo Braccini
enfim! é o que tem pra hoje...

sábado, 6 de novembro de 2010

Phishing


Meu blog, algumas vezes, quando aberto vem apresentando uma página vermelha de alerta, como sendo um site suspeito de phishing. Não é a primeira vez que isto ocorre. De uma vez anterior ele parou de apresentar isto por si próprio, de outra era causado por um link do BlogsBlog que depois de retirado o problema desapareceu. Desta feita retirei todos os links extras do meu sidebar e nada resolveu. Não sei mais o que fazer, mas continuo tentando. O interessante disto tudo é que este tal aviso não aparece todas as vezes que abrimos o blog, e também não aparece em todos os computadores e/ou navegadores. Quando acesso por lep top o tal aviso não aparece, Consultei alguns blogueiros e para alguns aparece e para outros não. Bem, quero afirmar e reafirmar que não sei de onde está vindo isto e que continuo tentando solucionar este inconveniente. Dicas e sugestões serão bem vindas.

ps: andei mexendo aqui e parece que resolveu o problema ... será?

Paulo Braccini
enfim! é o que tem pra hoje...

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Aranha


“Que coisa boa ficar sozinho. Mas não estava, propriamente, só. Cada vez que ia mijar enxergava a tal aranha. E pensava, olha, aranha, não demora você vai ter que se arrancar. Não gosto nada desse teu jeito aí nesse canto escuro, pegando insetos e moscas e sugando todo o sangue deles. Você não presta, dona aranha, sabia? Ao passo que eu sou um cara legal. Pelo menos, assim me considero. Você não passa de uma verruga punheteira, desmiolada e macabra, que fica aí matando no escuro, mais nada. Vá sugar o raio que a parta! Agora chega.” 

Charles Bukowski

Paulo Braccini
enfim! é o que tem pra hoje...

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Ê mineirada danada, sô!



Durante escavações no estado do Rio de Janeiro , arqueólogos fluminenses descobriram, a 100 m de profundidade, vestígios de fios de cobre que datavam do ano 1000dC. Os cientistas cariocas concluíram que seus antepassados já dispunham de uma rede telefônica naquela época. 
Os paulistas, para não ficarem para trás, escavaram também seu subsolo, encontrando restos de fibras óticas a 200 m de profundidade. Após minuciosas análises, concluíram que elas tinham 2000 anos de idade. Os cientistas paulistas concluíram, triunfantes, que seus antepassados já dispunham de uma rede digital a base de fibra ótica quando Jesus nasceu! 
Uma semana depois, em Belo Horizonte , foi publicado por cientistas mineiros o seguinte estudo: 
"Após escavações arqueológicas no subsolo de Contági, Betim, Barbacen, Selagoa, Pass-Quato, Jijifó, Sans Dumon, Pous Alegre, Santantoin do Monte,Vargim, Nanuque, Águas Formosa, Moncarmelo, Carnerim, LagoaDorada, Sanjão Del Rei, Sirvianóplis, Beraba, Berlândia, Belzonte, BosdaRaguari, Divinóplis, Parr de Mins, Furmiga, Vernador Valadars, Tióf'Otoni, Piuí, Carm Cajuru, LagoSanta, Morro do Ferr, Biraci e diversas outras cidades mineiras, até uma profundidade de 500 metros , não foi encontrado absolutamente nada, concluindo então, que os antigos mineiros já dispunham há 5000 anos de uma rede de comunicações sem-fio: 'wireless'".
Nota dos arqueólogos: 
Por isso se pronuncia "UAI" rilés. 

contribuição via e-mail . Antônio C. Neto

Paulo Braccini
enfim! é o que tem pra hoje...

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Pérolas sobre conhecimento musical


Momento descontração com algumas pérolas sobre o conhecimento musical. Acredite! #Fato

- Bach está morto desde 1750 até os dias de hoje.
- Agnus Dei é uma famosa compositora que escreveu música para igreja.
- Uma ópera é uma canção que dura mais de 2 horas.
- Henry Purcell é um compositor muito conhecido, mas até hoje ninguém ouviu falar dele.
- O Bolero de Ravel foi composto pelo Ravel.
- A harpa é um piano pelado.
- Opus Póstuma é música composta quando o compositor compôs depois de morto.
- Mozart morreu jovem. Sua maior obra é a trilha do filme "Amadeus".
- A importância de "Tristão e Isolda" reside no fato de que é uma música muito triste. Mais triste que a "Tristesse" de SCHOPING.
- Virtuoso no piano é um músico com muita moral.
- Os maiores compositores do Romantismo são: Chopin, Schubert e Tchaikovsky. No Brasil temos Roberto Carlos e Daniel.
- Música cantada por duas pessoas é um DUELO.
- Eu sei o que é um sexteto, mas não sei dizer.
- Stravinsky revolucionou o ritmo com "A MASSACRAÇÃO da Primavera".
- "Carmen" é uma ópera e "CARMINHA Burana" é sua filha.
- Muitos pesquisadores concordam que a Música Medieval foi escrita no passado.
- A ópera mais Romântica é a Paixão de Mateus por Bach.
- Tem dois tipos de Cantatas de Bach: as Cantatas religiosas e as CANTADAS DI PROFANAÇÃO, que ele usou no palácio.
- Meu compositor preferido é Opus.
- Chopin fez poucas baladas, pois sofria de tuberculose. Assim não dava para ele cair na gandaia à noite, dançar, beber e curtir as minas, MAIS parece que ele não era chegado.
- Suíte é uma música de danceterias barrocas.
- "Messias" é uma missa de Handel cuja originalidade é ter muitos aleluias.
- Os menestréis e trovadores transmitiam notícias e estavam nas festas. Andavam de cidade em cidade, de castelo em castelo e iam até nos shows de TV.
- O regente de uma orquestra é igual a um guarda de trânsito maluco porque agita os braços controlando muitos instrumentos na sua frente.
- "As 4 Estações" é o CD mais vendido da banda do Vivaldi, depois que fez sucesso num comercial de sabonete, que não me lembro o nome agora.
- Os compositores Renascentistas reviveram a música, pois ela havia sido morta pela Inquisição.
- As Fugas de Bach são famosas porque ele não queria ficar preso em nenhum sistema.
- A música eletroacústica é a mais avançada das tendências da música eletrônica hoje em dia. Seus principais compositores são os DJs e a banda Craftwork.
- O metrônomo foi inventado para os músicos não andarem depressa.
- Barroco é uma palavra derivada de Bach.
- Handel compôs muitas peças geniais para COURO.
- Música atonal é aquela sem som ou que explora o não-som, mais ou menos quase um anti-som. Seus mais importantes criadores são da família Berg: Schoenberg, ALBANBERG e WEBERG.
- Pierre Boulez e STOQUEHAUZEN são compositores contemporâneos. É raro ser contemporâneo, pois muitos contemporâneos não vivem até morrer.
- A mais bela sinfonia é a ÓDIO ÀLEGRIA.

Paulo Braccini
enfim! é o que tem pra hoje...

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Ausência



A todos aqueles que a vida me concedeu conhecer e compartilhar carinhos e afetos, mas que, pela dimensão temporal e efêmera desta mesma vida, hoje me sinto privado dos mesmos, a minha eterna lembrança.

Ausência

Por muito tempo achei que a ausência é falta.
E lastimava, ignorante, a falta.
Hoje não a lastimo.
Não há falta na ausência.
A ausência é um estar em mim.
E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços,
que rio e danço e invento exclamações alegres,
porque a ausência, essa ausência assimilada,
ninguém a rouba mais de mim.


Carlos Drummond de Andrade




Paulo Braccini
enfim! é o que tem pra hoje...

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin