quarta-feira, 9 de junho de 2010

Meio Laranja Cinza Blue


Há um rabisco, no verso dessa folha que diz. Versos não vêm em forma de cálculos. Na cabeça de um elefante. Em pára-quedas? Estão nas hélices de um cata-vento. A fina camada. Cataventos. 
Não tem data. Mas tudo por aqui. Está assim. Frases cortadas, versos quebrados. Uma palavra jogada em um canto barrado dessa parede. Me faz voltar. 
Pouso novamente. Ergo o olhar junto com os ombros, encaro o meu quarto, o retrato velho de moldura oval, reencontro com a linha que gera o equilíbrio e não faz disso mais uma passagem em um sonho, a neblina abaixou. E estou de pé. Já encoberto por todos os erros, todas as bandeiras foram usadas. Estou bem aqui, ouço uma cantora que desconheço, escrevo em cima de uma capa de disco e bebo uma cerveja para me concentrar, você pode me ver?
Acordei às 17 horas, pude sentir o pulmão da casa respirando sem o peso dos pés deles. O telefone surpreende, não faço questão alguma de atendê-lo, minha língua dormente não corresponde ao chamado dessa cabeça que mais leve não se prende a coisa alguma. No centro, há um espelho que mora um corpo estranho, como se me olhasse de um microscópio e não reconhecesse esse mundo perdido. Deixo os olhos na parede, retorno para minha sinfonia. A sola áspera toca a cerâmica marrom. Cavo com os pés o mesmo caminho. 
Tenho me ocupado muito ultimamente. Meu médico disse para parar com os comprimidos e voltar ao maracujá. Levanto para virar o disco. Ele confia no seu diagnóstico, eu confio no meu desespero. Que volta a cada dia cumprido de sentimentos nulos, subtraindo-me em equações de ego em ego. Os olhos inertes, presos por xícaras e xícaras de café que se perdem, ocos e vazios. Quando os vejo assim de montes, aglomerados entre crianças chorando, com as mãos no bolso ou segurando a alça de uma bolsa, eu me escondo atrás de uma pele grossa, um couro de jacaré. Encoste em mim com esse seu olhar tão questionador que passo por cima com o peso de eras que um réptil possui. 
Mas acalma. A pior das engrenagens movimentaria. Com esse som que ensurdece o peito e rebate por todos os poros sem se perder pelo vão da janela.
Quando cheguei perto demais, ela disse que eu a escamava com uma faca amolada a mesma que ela retocava o batom e me dizia me beija de lábios cor de rosa. Quero sim mastigar cada pétala dessa flor em seu cabelo, dividir o maço, dar um abraço suado no intervalo e não dizer adeus como você disse. Perto deles, somos bichos selvagens, um leopardo escalando uma árvore, fugindo da mata densa. Amantes são seres solitários e se perdem em dever do outro, um sacerdócio, junto com a quebra de uma lei vem à cassação da alma, decapitações de cabeças. Ela me disse que não jogaria a toalha, não desceria o véu, que ali dentro estava confortável, protegida da chuva, das pedras.
Cheguei aqui ao menos. Não fiquei nas pedradas, nos socos, nas pontas dos pés dos garotos. Nos olhares esquivos, dos vários nãos, da projeção medonha de várias pessoas. Empurrei a corrente e o que se arrastava na ponta era a carcaça do mundo. Que muitos dizem carregar nas costas. Mas que de tempos em tempos, eu o fazia de bola, saco de pancada, massa de modelar. Não sei o que me tornei. Essa criatura medonha, capa preta e rua escura?
Querer amanhecer com motivo foi um risco. Perde-se o tempo exato das coisas. A respiração abafada pela correnteza do afogado. Às vezes eu mergulho, corto de leve esse pano, essa pele, e deixo o sangue acomodar entre os dentes. Ana C olha para mim como olhava um corpo de um poema. Ela mesma disse. O que sentiria ao abrir o gás de cozinha.
Batem na porta do quarto. Minha mãe chegou e eu não tinha percebido. Ela bate de leve, como se não desejasse mas por força maior do hábito assim realizasse. Vou até ela. Não a entendi. Seus olhos pesavam, bolsas de sono penduradas. Segurava um terço nas mãos, passou por mim e apagou a vela embaixo do retrato oval, fez o sinal da cruz, pegou os remédios na gaveta e entrou pelo corredor. Não deu nó a minha presença. Ouvi, que esteja em paz, de sua boca. 
Troco o disco. A música é a mesma. E fala de saudade, amores doentios, perdidos, despedidas sem abraços, abraços vazios, bebidas, ácidos, prédios abandonados no centro da cidade, solidão. Abro a janela e me misturo com o crepúsculo, a sua cor é a cor da minha pele, meio laranja cinza blue.
Leandro Mayfair . Blog Desce Mais Um
Paulo Braccini
enfim, é o que tem pra hoje... 

17 comentários:

  1. Versos fluem da alma
    E viajam pelo ar
    Cobrem nossos sonhos de luzes
    E nos fazem gostar de amar.
    Bjs.

    Guará Matos

    ResponderExcluir
  2. Paulão, se tudo der certo irei na última semana de julho, lá para dia 27. Mas antes preciso resolver algo por aqui, por isso não prometo nada.

    Bjs e bom dia!

    ResponderExcluir
  3. Uau! Lindíssimo!!!!!

    Obrigado pelo elogio das fotos. Depois te envio o link com todas. Porque a senhora é especial.

    bj

    ResponderExcluir
  4. A blogsfera tá toda poética hoje. Adoro!

    Musica com rabiscos. Arte. A arte imita a vida imita a arte?

    beeijo!
    h'[m]

    ResponderExcluir
  5. Passando por mais uma vez depois de ficar afastado por um periódo.
    Tudo que capturas e nos trás para refletir , tem um teor de abundância. Maravilha ler tuas postagens.
    Bjos e abraço

    ResponderExcluir
  6. a poesia, os comentários... tudo muito lírico... eu gosto...

    ResponderExcluir
  7. Minha alma gosta disso! ^^

    Beijos, dois.

    ℓυηα

    ResponderExcluir
  8. Linda a imagem realmente á de se perder nela se ficar olhando por muito tempo..

    bjs
    Insana

    ResponderExcluir
  9. Ô querido... tu só me diz uma coisa: o que vou te dizer depois de tão belas palavras e demonstração de carinho?!? Só resta dizer o óbvio: muito obrigado! Obrigado por esse respeito e admiração. Tenha certeza de que é muito recíproco e que tu - do alto de tanta sapiência - é mesmo um tipo de oráculo para todos nós. Tudo que tu diz, faz sempre muito sentido e significa convite à reflexão! Espero contar sempre com tua amizade. E com certeza... a idéia do vinho compartilhado é ótima. Quem sabe um dia, né? Grande abraço!

    ResponderExcluir
  10. Achei que fosse Caio F. Abreu... que bom que existem coisas tão belas que estão vivas. Que bom que nós estamos vivos. Bj!

    ResponderExcluir
  11. Humm tava com saudades já das suas poesias super bem colocadas!!
    abraçoooo!

    ResponderExcluir
  12. Bem, depois da Paulicéia desvairada...rsrs...vem o Meio Laranja Cinza Blue...que encanto, adorei...fiquei a viajar nos detalhes...maravilha!!

    Beijos de linda noite meu querido amigo.

    ResponderExcluir
  13. Muito legal o texto... bom pra refletir.

    Largar os comprimidos e voltar para o maracujá...rs...rs bem, parace familiar essa frase...

    Abçs

    ResponderExcluir
  14. ...Fecho os olhos com tais cores atravessadas na garganta. Um nó se fez... Engulo à seco e vou dormir. Lindo! Obrigado pela carapuça.

    ResponderExcluir
  15. bjux em laranja e cinza blue para todos voces ...

    ;-)

    ResponderExcluir
  16. Este texto está fabuloso...fiquei até emocionado!
    Parabéns ao autor!
    Boa escolha!

    Abraço

    ResponderExcluir

então! obrigado pela visita e apareça mais, sempre teremos emoções para partilhar.

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin