domingo, 13 de dezembro de 2009

O Verbo




útil o verbo que vem do caos como um caminho novo e louco. renuncio à águia. como águas. sobrevôo o chão das horas. fragmentos desvelados que o vento arrasta pela noite adentro. e nada se sente. inútil o verbo do medo.
adiante só a névoa. que é enigma ou alegoria ou apenas universo de imagens. voláteis. umas mediterrânicas. outras sementes oficinais. impossível eleger este chão. onde morro tantas vezes e pela última vez me contrario. infinito o porto a que me aporto.



Paulo Braccini
enfim, é o que tem pra hoje...

12 comentários:

  1. Belíssima escolha viu amigo.

    Beijos


    Hugo

    ResponderExcluir
  2. Belo poema. Me parece um fado.
    "Navegar é preciso, viver não é preciso...."
    Bjs.

    ResponderExcluir
  3. vai saber não é mesmo neh? afinal Isabel Ferreira é portuguesa ...

    bjux querido Guará...

    ;-)

    ResponderExcluir
  4. Muito lindo.. e que as névoas se amplifiquem ou se desfaçam! bjux

    ResponderExcluir
  5. Obrigado Athila ... que se amplifiquem ou que se desfaçam ...

    bjux

    ;-)

    ResponderExcluir
  6. Ameeeeeeeeeei seu blog, e realmente um post melhor que o outro. parabéns estou te seguindo.
    Abraço

    ResponderExcluir
  7. obrigado Beth pelo carinho da presença ...

    bjux

    ;-)

    ResponderExcluir
  8. Ótimo jogo de palavras e idéias.


    "onde morro tantas vezes e pela última vez me contrario"

    Muito bom Paulo.
    Abraço Grande.

    ResponderExcluir
  9. Obrigado Lucas ... vindo de sua genialidade fico envaidecido e agradeço em nome do Blog e de Isabel Ferreira ...

    bjux

    ;-)

    ResponderExcluir
  10. que bom querido que você não sumiu
    esperando seu retorno
    abração

    ResponderExcluir
  11. jamais sumiria ... rs ...

    bjux Serginho

    ;-)

    ResponderExcluir

então! obrigado pela visita e apareça mais, sempre teremos emoções para partilhar.

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin